Sexo à luz da Espiritualidade

pesquisa-sexo-espiritualidade-1

“…entendendo­-se que todos os compromissos na vida sexual estão igualmente subordinados à Lei de Causa e Efeito; e, segundo esse exato princípio, de tudo o que dermos a outrem, no  mundo afetivo, outrem também nos dará.”

Emannuel, do livro Vida e Sexo.

Questão sempre levantada e cheia de dúvidas pro parte de muitos encarnados, o sexo se torna muitas vezes uma problemática quando é encarado de forma materialista ante à forma espiritual e purificada que os espíritos nos apresentam a ele. Antes é preciso diferenciarmos o sexo como fonte divina de reprodução e troca benéfica de energias do sexo desregrado e da promiscuidade que alimentam os mais variados tipos de energias maléficas e nos causam um desequilíbrio sem tamanho.

O sexo é obra de Deus com a finalidade de se aplicar principalmente a lei de reprodução. Nela, o homem busca a preservação de sua espécie através  da perpetuação de sua linhagem. O espiritismo nos traz o esclarecimento acerca deste assunto tão delicado. Através destes estudos podemos entender que a energia sexual é de nossa responsabilidade pois como , por exemplo, a energia do pensamento, responderemos conforme a utilizarmos, bem ou mal, na nossa vida e perante aos outros.

Seguindo a diante lembramo-nos de Paulo, quando diz “tudo me é permitido mas nem tudo me convém”. No sexo, a lei de livre-arbítrio mantém-se ativa e temos por assim dizer uma liberdade de nossos atos o que nos delega uma enorme responsabilidade. O sexo ou o desprendimento da energia sexual se dá normalmente acompanhado de outro espírito encarnado o que deixa tudo muito mais delicado. Muitas vezes esquecemos do nosso compromisso afetivo para com quem nos envolvemos e criamos fúteis uniões com propósitos promíscuos e nada elevados. Destas uniões resultam inúmeros débitos com relação a lei de moralidade que Deus nos delegou a tarefa de cumprir.

A cada um segundo seus atos. Com esta máxima relembramos que tudo que fizermos nos será cobrado e, assim, precisamos estar em equilíbrio com nossas atitudes a fim de não contrairmos mais débitos diante da divindade. O sexo é – além de sua função primordial – uma forma de afeição que os espíritos encarnados tem para com os outros e por esta razão torna-se uma troca de energia fluídica através dos sentimentos que se carrega durante o ato. Pessoas em equilíbrio moral tem a sua intimidade livre de espíritos inferiores que tem finalidade de vampirizar esta energia. Quando o sexo é aplicado de forma intima, respeitosa e com um grau de afetividade responsável, está ele sendo a perfeita aplicação de Deus de uma forma de energia criadora.

O proceder dos Solteiros

É importante salientar que diferente de outras doutrinas o espiritismo não prega que o sexo seja reservado à instituição do casamento. Nele, temos a liberdade de escolha, porém, juntamente desta liberdade vem a responsabilidade de arcar com as consequências materiais ou espirituais deste ato. Pensando assim, seria errado ao encarnado que não se encontra em nenhum relacionamento afetivo compromissado ter mais de um parceiro ou ter relações casuais? Bom, como tudo no espiritismo… depende.

Depende da sua intenção, do seu sentimento e de como você lida com essa energia. Digamos que algum encarnado solteiro que não tem nenhum tipo de compromisso com ninguém tenha um parceiro diferente por semana, não mantém o equilíbrio necessário, não se preocupa com o sentimento alheio, engana, usa do sexo de forma materialista e egoísta. Bom, não precisamos nem continuar para entender que esta forma é danosa para o espírito desta pessoa. A energia sexual quando mal usada se torna uma arma contra nós mesmos com a qual espíritos inferiores se usarão para nos atingir.

Agora se a pessoa solteira, tem seus relacionamentos casuais mas neles ela conduz um código de ética, pautado no respeito mútuo, entende que por mais que não adquiria o compromisso com aquela pessoa ela tem o compromisso afetivo, a empatia de se colocar no lugar do outro, a sinceridade, o respeito de colocar os sentimentos alheios acima de seu próprio egoísmo, não estará ela fazendo um mal uso de uma energia renovadora. Sim é difícil de entender logo de cara, mas na dúvida pensem que é necessário se colocar no lugar do outro e respeitar a fim de tornar não tornar o sexo algo material e impuro meramente falando. Na dúvida faça ao outro somente o que gostaria que lhe fizessem.

Os métodos contraceptivos

Muito se fala noutras doutrinas religiosas de como os métodos contraceptivos são um ferimento a lei de Deus. No espiritismo isto não se aplica. Deus nos deu a inteligência para utilizar para o bem da humanidade. Não seria então problemático a reprodução desenfreada sem o planeamento necessário para que o planeta suprisse a demanda exigida para a manutenção da vida corpórea ?

687. Se a população segue sempre a progressão crescente que vemos, chegará um momento em que será excessiva na Terra?
“Não; Deus a isso provê e mantém sempre o equilíbrio; ele nada faz de inútil; o homem, que só vê um canto do quadro da Natureza, não pode julgar da harmonia do conjunto.”

[…]

693. As leis e os costumes humanos que têm como objetivo ou efeito criar obstáculos à reprodução são contrários à lei da Natureza?
“Tudo o que entrava a Natureza em sua marcha é contrário à lei geral.”
a) Todavia, há espécies de seres vivos, animais e plantas, cuja reprodução indefinida seria nociva a outras espécies e das quais o próprio homem seria logo vítima; comete ele um ato repreensível, impedindo esta reprodução?
“Deus concedeu ao homem, sobre todos os seres vivos, um poder de que ele deve usar para o bem, mas não abusar. Ele pode regular a reprodução, de acordo com as necessidades; não deve entravá- la sem-necessidade. A ação inteligente do homem é um contrapeso estabelecido por Deus, para restaurar o equilíbrio entre as forças da Natureza e isto é ainda o que o distingue dos animais, porque ele o faz com conhecimento de causa; mas os próprios animais também concorrem para este equilíbrio, pois o instinto de destruição que lhes foi dado faz com que, sempre provendo à sua própria conservação, detenham o desenvolvimento excessivo, e talvez perigoso, das espécies animais e vegetais de que se alimentam.”

Livro dos espíritos, Cap.IV – Lei de reprodução. Editora FEB

A própria lógica nos diz que tendo nós disponíveis ferramentas criadas através de nossa capacidade adquirida através de Deus que possam nos auxiliar a regular a reprodução de acordo com as necessidades da sociedade moderna. Sendo o homem o animal racional que Deus criou para equilibrar as forças naturais é compreensível a utilização de ferramentas disponíveis de forma ética e responsável.

A Energia Sexual

A energia sexual, como recurso da lei de atração, na perpetuidade do Universo, é inerente à própria vida, gerando cargas magnéticas em todos os seres, à face das potencialidades criativas de que se reveste. Nos seres primitivos, situados nos primeiros degraus da emoção e do raciocínio, e, ainda, em todas as criaturas que se demoram voluntariamente no nível dos brutos, a descarga de semelhante energia se opera inconsideradamente. Isso, porém, lhes custa resultados angustiosos a lhes lastrearem longo tempo de fixação em existências menos felizes, nas quais a vida, muito a pouco e pouco, ensina a cada um que ninguém abusa de alguém sem carrear prejuízo a si mesmo. À medida que a individualidade evolui, no entanto, passa a compreender que a energia sexual envolve o impositivo de discernimento e responsabilidade em sua aplicação, e que, por isso mesmo, deve estar controlada por valores morais que lhe garantam o emprego digno, seja na criação de formas físicas, asseguradora da família, ou na criação de obras beneméritas da sensibilidade e da cultura para a reprodução e extensão do progresso e da experiência, da beleza e do amor, na evolução e burilamento  da vida no Planeta. Através da poligamia, o espírito assinala a si próprio longa marcha em existências e mais existências sucessivas de reparação e aprendizagem, em cujo transcurso adquire a necessária disciplina do seu mundo emotivo. Fatigado de experimentos dolorosos, nos quais recolhe o fruto amargo da delinquência ou do desespero que haja estabelecido nos outros, reconhece na monogamia o caminho certo de suas manifestações afetivas. Atento a isso, identifica na criatura que se lhe afina com os propósitos e aspirações o parceiro ou a parceira ideais para a comunhão sexual, suscetível de lhe granjear o preciso equilíbrio e capaz de lhe revitalizar as forças com que se põe no encalço do trabalho imprescindível à própria evolução. Em nenhum caso, ser-nos-­á lícito subestimar a importância da energia sexual que, na essência, verte da Criação Divina para a constituição e sustentação de todas as criaturas. Com ela e por ela é que todas as civilizações da Terra se levantaram, legando ao homem preciosa herança na viagem para a sublimação definitiva, entendendo-­se, porém, que criatura alguma, no plano da razão, se utilizará dela, nas relações com outra criatura, sem consequências felizes ou  infelizes, construtivas ou  destrutivas, conforme a orientação que se lhe der.

Do Livro Vida e Sexo, Francisco Cândido Xavier, Espírito Emannuel. Editora FEB.

images

Porém há casos em que a energia sexual é utilizada de outras formas. Artistas que abdicam de uma vida sexual ativa no momento de criação de suas artes canalizam esta energia criadora para o ato de criar telas, esculturas, etc. Ou seja o sexo não é a única forma de se emanar energia criadora. Desta forma explicam-se fatos de cientistas e artistas que dedicaram a vida a suas criações e nunca contraíram o casamento ou sequer um ato sexual.

Portanto meus amigos, sejamos sempre equilibrados em nossas medidas. O sexo bem pensado, equilibrado, harmonioso diferente de um tabu se torna então fonte inspiradora de alegrias e união entre os seres humanos. Responsabilidade com o ato, com os sentimentos, com os pensamentos. Sexo é sobretudo uma importante fonte de troca de energias amorosas e de bem estar. Sendo aplicado de forma equilibrada e responsável será para todos nós uma  importante fonte de elevação moral. Muita paz!

Fonte: Livro dos espíritos , Livro Sexo e Vida.

3 comentários sobre “Sexo à luz da Espiritualidade

  1. Agora se a pessoa solteira, tem seus relacionamentos casuais mas neles ela conduz um código de ética, pautado no respeito mútuo, entende que por mais que não adquiria o compromisso com aquela pessoa ela tem o compromisso afetivo, a empatia de se colocar no lugar do outro, a sinceridade, o respeito de colocar os sentimentos alheios acima de seu próprio egoísmo, não estará ela fazendo um mal uso de uma energia renovadora. ERRADO

    A Doutrina Espírita ensina que sexo deve ser feito com amor e responsabilidade e sexo casual NUNCA tem amor; este vem com a convivência, portanto é preciso conhecer a pessoa. O sexo casual SEMPRE deve ser evitado, pois traz consequências desastrosas para o espírito levando-o ao desequilíbrio. Quem não tem um parceiro(a) nestas condições deve viver na castidade, sublimando sua energia sexual. Sem contar que tem outras formas de usar a energia sexual para o prazer sem se comprometer com o ato sexual. Exemplo disso é fazer meditação, praticar exercícios físicos e receber massagem tântrica. Lembrando sempre que sexo não é necessidade básica! Vc não morre se não fizer! rs

    Curtir

    • Bem generalizado esse comentário, espiritismo tem muitas nuances a se analisarem em cada caso. vc pode por exemplo gostar de algm, demonstrar carinho e amor dessa forma e ainda assim n precisar se casar com esta pessoa.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s