Como o Espiritismo melhora o ser humano?

espiritismo-620x330

Esta pergunta é provocativa e nos leva a analisar mais a fundo do que as simples respostas decoradas de palestras e encontros espíritas. O espírita está acostumado a ouvir como a doutrina melhora aqueles que nela chegam mas como isso se dá? Quais os pontos são melhorados em nós ao estudarmos esta maravilhosa doutrina?

Continuar lendo

Espírito tem sexo?

vulto-cor

Essa pergunta foi formulada por Allan Kardec, na questão 200, de O Livro dos Espíritos. A resposta dos mentores espirituais, “Não como entendeis, porque os sexos dependem de constituição orgânica”, é afirmativa. Não obstante, traz importante ressalva: não se trata de uma condição morfológica. Não há órgãos sexuais masculinos ou femininos na personalidade imortal, estabelecendo a distinção. Continuar lendo

Em tempos difíceis, ore

orar

Muito se comenta sobre os tempos da regeneração planetária e o distúrbio causado pelos agitadores que visam a guerra e a discórdia entre os irmãos encarnados. É obvio que o mal, sempre agindo de forma inteligente e sem escrúpulos tende a se sair – aparentemente – à frente do bem. Vemos a dificuldade que se tem, hoje em dia, de se garantir o mínimo essencial para uma sociedade justa e boa. Nesses momentos de incertezas em nossos corações, de problemas tanto no âmbito global quando no nosso foro intimo, a solução é simples: Orar. Continuar lendo

Os Habitantes do Mundo Espiritual

habi

O primeiro cuidado de quem aporta a um país estrangeiro é procurar conhecer os usos e os costumes de seus habitantes. A prudência manda que o viajante assim proceda, para evitar imprevistos desagradáveis e para  saber como se comportar. A mediunidade nos leva ao infinito mundo espiritual, que também tem suas leis, usos e costumes próprios.
Um erro supor-se que a morte concede ao espírito a sabedoria plena ou a inteira posse do sentimento; não lhe dá nem uma nem outra coisa; o espírito desencarnado continuará a ser o mesmo que era quando encarnado. Era o encarnado uma pessoa bondosa? A morte o fará um espírito bom. Era uma pessoa de mau coração? Continuar lendo

O despertar espiritual

despertar

Muito se fala sobre a religiosidade e a espiritualidade das pessoas como meio de transição de uma vida mundana e material para uma vida espiritual e eterna. Mas será que estamos mesmo deixando as ondas do despertar espiritual nos elevarem? será que não estamos perdendo oportunidades de crescimento devido a nossa arrogância e indisciplina no bem? Continuar lendo

Chico Xavier Exalava Perfume

perfume-chico
Chico Xavier foi operado no Hospital Santa Helena em São Paulo, em 30 de agosto de 1968. Era uma noite de inverno, o frio era intenso, mantínhamos uma calma aparente, mas as expectativas nos atemorizavam.Chico fez sua recomendações com orientações para nosso procedimento caso desencarnasse. Trazia embrulhado um pacotinho que deu ao Galves (meu marido). Suas economias, segundo ele, para pagar a cirurgia e as despesas do hospital. Galves guardou o dinheiro com lágrimas nos olhos.Chico apenas nos pedia proteção e carinho numa hora tão difícil. Continuar lendo

Deus e o Infinito

DEUS

Deus – A Inteligência Suprema

A Doutrina Espírita rejeita a fé cega. Defende, com argumentos, a fé raciocinada, conduzindo as pessoas a não acreditarem, simplesmente por acreditar, mas a saber  porque acreditam em algo. E a principal delas é defender a prova da existência de Deus. Tanto é o cuidado de não personificá-lo que a primeira pergunta de O Livro dos Espíritos a expressão “Quem é Deus” foi substituída por “Que é Deus?”

A resposta: “Inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas”. 

Argumenta que a prova da existência de Deus está no axioma: “Não há efeito sem causa”. E o livro Obras Póstumas, em seu primeiro capítulo, exalta Deus numa profissão de fé espírita raciocinada, com muita propriedade. Justifica: “Vemos incessantemente uma multidão inumerável de efeitos, cuja causa não está impossibilitada de reproduzi-los, e mesmo de explicá-los: a causa está, pois, acima da Humanidade. É a essa causa que se chama Iahveh, Deus, Alá, Brama, Fo-hi, Grande Espírito etc, segundo as línguas, os tempos e os lugares”

E esclarece: “Esses efeitos, de nenhum modo, não se produzem ao acaso, fortuitamente e sem ordem; desde a organização do menor inseto, e do maior grão, até à lei que rege os mundos circulando no espaço, tudo atesta um pensamento, uma combinação, uma previdência, uma solicitude que ultrapassam todas as concepções humanas. Essa causa é, pois, soberanamente inteligente”.

Para aprofundar o tema Obras Póstumas, livro publicado após o desencarne (morte) do codificador do Espiritismo, Allan Kardec, com textos escritos por ele, durante aquela encarnação, sintetiza a definição de Deus como sendo um ser “eterno, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom”. Para não deixar os leitores perdidos, num resumo vago, tem ainda a preocupação de “mastigar” cada
item.

Vejam só: “Deus é eterno porque se tivesse tido um começo, alguma coisa teria existido antes dele; teria saído do nada, ou bem teria sido criado, ele mesmo, por um ser anterior. Assim é que, de passo a passo, remontamos ao infinito na eternidade”.

Já a imutabilidade é entendida assim, porque se tivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o Universo não teriam nenhuma estabilidade. Imaterial quer dizer que a sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria, de outro modo estaria sujeito às flutuações e às transformações da matéria, e não seria imutável. “É único, porque se houvesse vários deuses, teria várias vontades e desde então não teria uma unidade de vistas, nem unidade de poder na ordenação do Universo”.

A onipotência é argumentada pelo fato de ser único. “Se não tivesse o soberano poder, haveria alguma coisa mais poderosa do que ele; não teria feito todas as coisas e as que não tivesse feito, seriam a obra de um outro Deus. É soberanamente justo e bom, porque a sabedoria providencial das leis divinas se revela nas menores coisas, como nas maiores, e essa sabedoria não permite duvidar nem da sua justiça, nem da sua bondade”

Enfim, concluímos que Deus é infinito em todas as suas perfeições. E ainda arremata Supondo-se imperfeito um só dos atributos Dele, se se diminui a menor parcela da eternidade, da imutabilidade, da imaterialidade, da unidade, da onipotência, da justiça e da bondade de Deus, pode-se supor um outro ser possuindo o que lhe faltaria, e esse ser, mais perfeito do que ele, seria Deus.