Deus e o Infinito

DEUS

Deus – A Inteligência Suprema

A Doutrina Espírita rejeita a fé cega. Defende, com argumentos, a fé raciocinada, conduzindo as pessoas a não acreditarem, simplesmente por acreditar, mas a saber  porque acreditam em algo. E a principal delas é defender a prova da existência de Deus. Tanto é o cuidado de não personificá-lo que a primeira pergunta de O Livro dos Espíritos a expressão “Quem é Deus” foi substituída por “Que é Deus?”

A resposta: “Inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas”. 

Argumenta que a prova da existência de Deus está no axioma: “Não há efeito sem causa”. E o livro Obras Póstumas, em seu primeiro capítulo, exalta Deus numa profissão de fé espírita raciocinada, com muita propriedade. Justifica: “Vemos incessantemente uma multidão inumerável de efeitos, cuja causa não está impossibilitada de reproduzi-los, e mesmo de explicá-los: a causa está, pois, acima da Humanidade. É a essa causa que se chama Iahveh, Deus, Alá, Brama, Fo-hi, Grande Espírito etc, segundo as línguas, os tempos e os lugares”

E esclarece: “Esses efeitos, de nenhum modo, não se produzem ao acaso, fortuitamente e sem ordem; desde a organização do menor inseto, e do maior grão, até à lei que rege os mundos circulando no espaço, tudo atesta um pensamento, uma combinação, uma previdência, uma solicitude que ultrapassam todas as concepções humanas. Essa causa é, pois, soberanamente inteligente”.

Para aprofundar o tema Obras Póstumas, livro publicado após o desencarne (morte) do codificador do Espiritismo, Allan Kardec, com textos escritos por ele, durante aquela encarnação, sintetiza a definição de Deus como sendo um ser “eterno, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom”. Para não deixar os leitores perdidos, num resumo vago, tem ainda a preocupação de “mastigar” cada
item.

Vejam só: “Deus é eterno porque se tivesse tido um começo, alguma coisa teria existido antes dele; teria saído do nada, ou bem teria sido criado, ele mesmo, por um ser anterior. Assim é que, de passo a passo, remontamos ao infinito na eternidade”.

Já a imutabilidade é entendida assim, porque se tivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o Universo não teriam nenhuma estabilidade. Imaterial quer dizer que a sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria, de outro modo estaria sujeito às flutuações e às transformações da matéria, e não seria imutável. “É único, porque se houvesse vários deuses, teria várias vontades e desde então não teria uma unidade de vistas, nem unidade de poder na ordenação do Universo”.

A onipotência é argumentada pelo fato de ser único. “Se não tivesse o soberano poder, haveria alguma coisa mais poderosa do que ele; não teria feito todas as coisas e as que não tivesse feito, seriam a obra de um outro Deus. É soberanamente justo e bom, porque a sabedoria providencial das leis divinas se revela nas menores coisas, como nas maiores, e essa sabedoria não permite duvidar nem da sua justiça, nem da sua bondade”

Enfim, concluímos que Deus é infinito em todas as suas perfeições. E ainda arremata Supondo-se imperfeito um só dos atributos Dele, se se diminui a menor parcela da eternidade, da imutabilidade, da imaterialidade, da unidade, da onipotência, da justiça e da bondade de Deus, pode-se supor um outro ser possuindo o que lhe faltaria, e esse ser, mais perfeito do que ele, seria Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s